6 dicas para vender mais pelas redes sociais

Hoje em dia, nenhum empreendedor pode ignorar a importância e o poder do marketing digital para os negócios, não é mesmo? Por isso, uma das melhores coisas que uma empresa pode fazer é buscar vender mais pelas redes sociais.

Que é indispensável marcar presença nessas grandes plataformas, isso é algo indiscutível. Afinal, toda marca precisa estar onde seus clientes estão se quiser impactar a pessoa certa na hora certa, e hoje esse lugar é a esfera digital e as redes sociais.

O que poucos sabem é que também é possível aumentar as vendas através delas. Foi-se a época em que as mídias sociais eram voltadas apenas para fotos de pratos de comida e de viagens que as pessoas compartilhavam com os amigos.

Nem é difícil entender o porquê disso. Imagine como um anel de ouro feminino delicado pode chamar atenção do público feminino, seja lá onde ele estiver. Foi isso mesmo o que as marcas perceberam: que havia ali um público cativo e atento.

Vários fatores contribuem para isso, como o perfil das novas gerações, que são muito mais conectadas do que quaisquer outras. Em pesquisa realizada pela PayPal, no Brasil, são mais de 40% os consumidores que utilizam as redes sociais para fazer compras.

No restante do mundo essa média fica em 30%. Portanto, nenhum empresário pode dizer que não se interessa por essa cota do mercado, e por todas as oportunidades que ela traz consigo, não é mesmo?

Seja para vender jóias, como o anel mencionado ou uma tornozeleira feminina dourada, seja para soluções de qualquer outro tipo, e mesmo para serviços, as redes sociais podem ser uma excelente aliada de qualquer marca.

Tudo isso só vem provar que quem ainda não sabe como tirar proveito delas está perdendo tempo. Por isso decidimos escrever este artigo, com dicas práticas na área. Para tirar o máximo proveito, basta seguir adiante.

1. Por dentro da persona e dos perfis

A primeira grande dica para obter sucesso nas redes é passar a ver o público-alvo de um modo diferente, mais profundo e mais dinâmico. De fato, atualmente o marketing fala em persona, e nos perfis que a compõem.

O ideal é sua marca criar dois ou três perfis semi fictícios, dando até nome e atribuindo a foto de alguém real, para ilustrar ao máximo o esforço. Depois, cada ação ou campanha que você fizer deve ser voltada para eles.

As perguntas que podem ajudar a montar esses perfis são:

  • Quem é o meu cliente ideal?
  • Onde exatamente encontrá-lo?
  • Quais mídias sociais ele mais utiliza?
  • O que ele faz nas horas vagas?
  • Que tipo de entretenimento o atrai?
  • O que ele mais gosta nas marcas?
  • O que ele não gosta na hora da compra?

O mais bacana é que tais questões são universais, e podem ser aplicadas a qualquer segmento de mercado, tanto para produtos mais populares como calendário personalizado com fotos, quanto para indústrias e setores nichados.

Isso vai muito além de saber apenas endereço, idade, gênero e poder aquisitivo de um cliente, concorda? Nas redes sociais, que permitem uma segmentação bastante apurada de qual público vai ser impactado com seus anúncios, isso pode fazer toda diferença.

2. O que é o marketing de conteúdo?

O próximo passo natural, depois de definir seu público e segmentá-lo, é aperfeiçoar a comunicação com ele. Atualmente, o modo de fazer isso é por meio do marketing de conteúdo, que é bastante inovador e disruptivo.

Se antes as marcas atacavam apenas com a prospecção ativa, que fazia chamadas explicitamente comerciais, explorando as vantagens da marca (com diferenciais como preços e prazos, além de promoções malucas), hoje o foco recai sobre o público.

As pessoas são mais exigentes e buscam experiências marcantes, o que tem a ver com uma prospecção passiva, baseada em conteúdos gratuitos e de qualidade, que agreguem valor para quem os consome.

Também essa estratégia é universal, e pode tratar de qualquer tipo de produto ou serviço. 

Se uma loja de sobremesas vai vender bolo simples de fubá na internet, ela também pode fazer posts sobre dicas de receitas que podem acompanhar o produto, como um chocolate quente.

Nesse universo dos conteúdos, publicações do tipo “10 dicas para…” fazem um sucesso tremendo. Justamente porque as pessoas querem ter uma relação com a marca antes de comprar dela.

Depois, quando forem tomar uma decisão, vão pensar primeiro em quem distribuiu os melhores conteúdos, fechando o círculo que fortalece a marca e aumenta seus resultados não apenas no curto prazo, mas também no médio e no longo.

3. As diversas propostas das redes

Uma dica de ouro é nunca se esquecer de levar em conta a proposta de cada plataforma antes de criar seus conteúdos. Na verdade, você até pode criar conteúdos “genéricos”, sem pensar nesta ou naquela mídia, mas depois vai precisar adaptá-los.

Hoje existem redes sociais voltadas para diversos formatos e propostas de comunicação, tais como:

  • Mensagens instantâneas;
  • Textos curtos e/ou longos;
  • Fotos, imagens, vídeos e/ou lives;
  • O universo corporativo;
  • Entre outras similares.

Se a empresa trabalha com produtos higiene pessoal atacado, certamente ela vai conseguir mais aderência em uma plataforma voltada para o mundo corporativo, que é onde estão as pessoas jurídicas que compram no atacado, concorda?

Portanto, se essas plataformas priorizam tabelas e slides, adapte seus conteúdos a esse formato. Já se a mídia social lida muito com imagem, considere programas de edição que tornem cada foto ou vídeo melhor do que o da concorrência.

Saber a dinâmica da proposta também é importante. Se a ideia é usar textos pequenos, tenha certeza de que delongar-se ou criar um fio muito grande de postagens seria ruim. O contrário também é verdadeiro: quando for para dar conteúdo denso, não economize.

4. Fortalecendo a identidade visual

Um modo facilitado de manter a essência dos seus conteúdos, independentemente da plataforma que estiver sendo trabalhada, é investindo em uma identidade visual, e mesmo em uma verbal também.

Vivemos a época das filosofias da marca, da cultura organizacional e dos ativos intangíveis. Ou seja, você precisa ter valores muito bem definidos, mantendo o famoso “Missão, Visão e Valores” de modo coerente.

No aspecto visual, a maneira de fortalecer sua identidade é por meio do logotipo da marca e da paleta de cores. Isso vai garantir uma apresentação muito mais bacana, e as pessoas vão se acostumar com sua identidade rapidamente.

Se você trabalha com sacola de tecido personalizada e cria um logo marcante, isso pode ajudar muito nos resultados finais, pois vai tornar cada ação e cada campanha muito mais assertivas e atraentes perante o público.

5. O poder da agenda editorial

Falando no fato de que as pessoas vão se acostumar com suas postagens, como dito acima sobre o logotipo, o mesmo deve ser tomado como uma filosofia de trabalho, no tocante a uma agenda editorial e uma frequência de postagens.

Um dos maiores problemas de quem investe nas redes sociais, que acaba impactando negativamente no resultado e nas vendas, é tratar as mídias como segundo plano. É o famoso “postar quando dá vontade”.

Na verdade, você precisa de uma agenda com semanas ou mesmo meses de antecedência. Além de profissionalizar o seu processo, isso ajuda na criatividade e faz com que as pessoas já saibam quando esperar alguma novidade sua.

Quando a empresa tem um portfólio maior, como uma papelaria, que pode vender desde canetas e talão para sorteio até insumos de impressão e de informática, fica ainda mais fácil explorar uma frequência mais rotativa de postagens.

6. Erga a bandeira da interação

Se tem algo que define o público atual é o fato de que ele é bastante sensível à comunicação, ao suporte  e às interações. De fato, as redes sociais são conhecidas justamente por esse tipo de dinâmica.

São as famosas curtidas, os comentários e os compartilhamentos. Portanto, se você estiver sempre presente, tirando dúvidas, trocando mensagens ou mesmo emojis com seu público, tenha certeza de que o engajamento vai crescer cada vez mais.

No fundo, as redes sociais são um modo de “humanizar” as marcas, de dar um rosto para elas e aproximá-las do público. Assim, um negócio que trabalha com algo como banner para assinatura, ou mesmo uma indústria, se torna mais próximo de todos.

Considerações finais

Certamente as vantagens de ter uma presença ativa na internet ficaram claras acima. Com o tempo, é essa naturalidade e essa presença que humaniza a marca o que fará com que as vendas melhorem.

Nas mídias sociais um sinônimo para resultado é engajamento. De fato, não adianta de nada ter uma solução excelente se você não conseguir “traduzi-la” para essas novas mídias, falando a língua do seu público e marcando presença.

Com isso, fica claro que aumentar as vendas nas redes sociais é algo que pode impactar em todos os setores da empresa, fortalecendo a marca também no médio e longo prazo.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *