Neuromarketing: saiba como adotá-lo em sua estratégia

Um dos principais objetivos das estratégias de marketing é compreender melhor os seus clientes, verificando quais seus interesses e intencionalidades. É aí que entra o neuromarketing, um conceito que visa “entrar” na mente dos consumidores.

O neuromarketing pode ser considerado uma ciência. Afinal de contas, ele é baseado em vários estudos e pesquisas, com o objetivo de entender melhor o que passa na cabeça das pessoas, quando elas são expostas a determinados estímulos.

Sendo assim, como nos comportamos ao ver um flyer digital, uma propaganda, a promoção de um produto ou serviço, entre outros.

Por isso, o neuromarketing utiliza conceitos da neurologia, psicologia e, é claro, do próprio marketing. Assim, é possível pensar a mente dos consumidores de maneira mais ampla.

No artigo de hoje, vamos falar o que é neuromarketing e como adotá-lo em sua estratégia. Dessa forma, será possível constatar o quanto essa ciência é benéfica para as vendas e crescimento dos seus negócios. Acompanhe a leitura.

Mas, afinal, o que é neuromarketing?

O neuromarketing é uma junção entre a ciência e as técnicas de marketing, desenvolvida com base nos estudos relativos aos processos cerebrais e como os estímulos desencadeiam certos comportamentos, ajudando na tomada de decisão.

Por exemplo, quando vemos um banner informativo, a intenção do neuromarketing é perceber como os nossos neurônios trabalham para resultar em alguma ação, que pode ou não ser o desejo de compra.

Portanto, essa ciência identifica quais áreas do cérebro são ativadas diante de um conteúdo publicitário e quais gatilhos contribuem para a tomada de decisão. 

Assim, quando há uma ação de compra, é possível também perceber a aceitação do cliente sobre o produto ou marca.

Além disso, a partir do neuromarketing é possível identificar e testar quais estratégias agradam mais a sua audiência. 

Alguns especialistas acreditam até que esse estudo é a chave para antecipar certos comportamentos dos consumidores.

Em resumo, o neuromarketing pode ser usado para identificar as reações de aceitação ou negação do consumidor em relação às propagandas, embalagens, rótulos em inglês, produtos, plataformas, entre outros aspectos que envolvem a venda de algo.

Quais as principais áreas de aplicação do neuromarketing?

O neuromarketing pode ser usado por qualquer segmento que deseja aprender mais sobre o comportamento dos clientes.

A pesquisa voltada ao comportamento do consumidor é extremamente útil, já que ela permite identificar quais as características-chave do público e contribuir com a construção das personas.

Até porque, as pessoas interessadas em uma cabine de estudo individual, por exemplo, possuem perfis bastante específicos. 

Essas singularidades devem ser consideradas na hora de elaborar uma campanha personalizada e assertiva.

A seguir, conheça quais são as principais áreas de aplicação do neuromarketing.

Branding

O branding refere-se a imagem que a sua marca quer passar para o público. Sabe-se que a construção dessa referência é muito importante para fixar a empresa na mente do consumidor, algo que pode ser fortalecido com alguns elementos.

No branding, o neuromarketing é responsável por:

  • Mensurar as associações do cliente com a marca;
  • Identificar as áreas do cérebro afetadas pela exposição a marca;
  • Analisar quais cores, formas e tipografias contribuem com a associação;
  • Recomendar o uso de certos elementos para gerar vínculos afetivos.

Com um branding bem formulado, logo que alguém pensar em um banco de plástico para jardim, que é o produto-chefe da sua empresa, logo irá se relacionar com a sua marca. Isso ajuda a gerar um sentimento de identificação e a construir a confiança.

Design de produtos

No design de produtos, o neuromarketing contribui com a apresentação de elementos que podem despertar o interesse dos consumidores.

Muitas vezes, quando olhamos uma embalagem, como sacolas ecobag personalizadas, fazemos algumas associações automáticas, desconectadas de estímulos conscientes, mas que nos dizem muito sobre a aceitação de novas ideias.

Tomada de decisão

A tomada de decisão talvez seja o ponto mais forte do neuromarketing. Afinal, a intenção é verificar como os clientes decidem pela compra de algo, verificando o momento ideal dessa escolha e quais fatores contribuíram para esse resultado.

Sendo assim, o neuromarketing mostra como um ambiente é responsável por influenciar os consumidores, uma informação, um gatilho ou a simples exposição de um notebook novo podem contribuir com a tomada de decisão.

Aqui, a ciência utiliza de inúmeras estratégias de marketing, como o próprio funil de vendas, que exibe a maturidade do cliente em relação ao momento de compra. 

Sendo assim, é possível ver se o consumidor está mais perto ou mais longe de decidir sobre a aquisição do produto ou serviço.

Eficiência da publicidade

A publicidade age por meios inconscientes, buscando atrair o público de modo natural e gerando certos sentimentos de proximidade com a marca.

Por meio dos estudos de neuromarketing, as empresas podem identificar quais elementos são mais efetivos para inserir no contexto publicitário.

Assim, é possível saber se uma plotagem A2 realmente terá o efeito desejado, dentro de uma campanha de publicidade.

Experiências online

Hoje em dia, grande parte das estratégias de marketing são realizadas online, devido à ampliação das plataformas digitais, a eficiência das campanhas virtuais, e além disso, o barateamento dos materiais de divulgação.

Por esse motivo, o marketing digital tornou-se praticamente obrigatório para todas as empresas que desejam se destacar no mercado.

Nesse contexto, o neuromarketing também surge como uma metodologia que ajuda nas divulgações online, uma vez que ele é capaz de indicar e mensurar quais ações têm os melhores resultados nas experiências digitais de relacionamento com o cliente.

Como o neuromarketing é composto por um conjunto de técnicas e ferramentas que medem a reação dos consumidores, ele pode ser aplicado em diversas áreas, como nas redes sociais, blogs e e-commerces, independentemente do porte da empresa.

Conheça as principais ferramentas do neuromarketing

Como vimos, o neuromarketing tem diversas aplicações. Porém, há algumas ferramentas que se destacam e são usadas por muitos negócios que já perceberam a efetividade das campanhas com base na estratégia.

Abaixo, conheça quais são essas ferramentas e suas utilidades.

1 – Gatilhos mentais

Os gatilhos mentais são protagonistas no neuromarketing. Resumidamente, eles nada mais são que os estímulos recebidos pelo cérebro, que contribuem com o processo de decisão.

Por exemplo, quando vemos uma promoção que tem tempo limitado, isso é um gatilho de urgência. Por isso, temos a tendência a adquirir o produto, com medo de acabar.

Há vários tipos de gatilhos mentais que podem ser usados em campanhas publicitárias e de marketing. 

Quando associados ao funil de vendas, os resultados podem ser incríveis, já que é possível direcionar o estímulo certo, no momento ideal da compra.

2 – Estímulos sensoriais

Os estímulos sensoriais referem-se ao despertar dos sentidos, quando vamos em algum local, vemos alguma ação de marketing ou compramos um produto.

Por exemplo, quando uma loja de roupas usa uma fragrância extremamente cheirosa em todo o estabelecimento e nas roupas. 

Isso desperta o nosso olfato e contribui com uma boa experiência de compra.

Atualmente, sabe-se que o marketing sensorial pode contribuir muito com a decisão dos clientes. 

Não é à toa que ele é explorado em vários sentidos, seja com cheiros, tatos e audição, como o uso de música.

A ideia é sempre proporcionar uma vivência agradável ao cliente, para que ele possa fazer a compra, e além disso, manter uma relação saudável com a sua empresa.

3 – Eye tracking

O eye tracking é uma técnica de rastreamento ocular, que percebe os movimentos dos olhos e com isso, permite encontrar a melhor posição para os elementos.

Assim, em uma propaganda, é possível saber exatamente onde posicionar o logo, as fotos, os textos, entre outros itens que aparecem em uma campanha, condicionando o olhar e o comportamento do consumidor.

Essa técnica tem sido muito usada pelos designers, e hoje em dia, ganhou notoriedade na web, principalmente com a construção de sites.

Afinal, é possível direcionar o usuário até a finalização de compras, a partir do emprego dos elementos em determinadas posições estratégicas.

Conclusão

O neuromarketing é uma ciência complexa, mas que tem um objetivo principal: entender como trabalha a mente dos consumidores.

Feita a partir de estudos e pesquisas, a estratégia pode ser aplicada em várias iniciativas, campanhas de marketing e publicidades, ajudando a convencer melhor os clientes e colaborando com a lucratividade dos negócios.

Por conta disso, muitas empresas usam cada vez mais o neuromarketing, estudando seus principais conceitos e métodos de aplicação.

O artigo de hoje trouxe algumas dicas de como aplicar o neuromarketing, a partir de ferramentas conhecidas da estratégia. 

Dessa forma, você terá campanhas orientadas e comprovadas, o que ajudará no alcance de ótimos resultados.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *